Mobiliário

Par de Cadeirões Giratórios

Par de Cadeirões Giratórios
Europeus. Estrutura em metal. Estofo em lã cinza. Sinais de uso e manchas.
Dim.: 94 x 76 x 52 cm.

Comprar! Loja

Cama Gondola de Casal

Cama Gondola de Casal
Inglesa ou ao seu gosto. Do séc. XIX. Mogno, nogueira e capeadas. Falhas e sinais de uso.

Comprar! Loja

Contador Indo-Português do Séc. XVII de Arthur de Sandão

Contador Indo-Português do Séc. XVII de Arthur de Sandão.

Indo-Português, de Goa, do Séc. XVII, com tampo de levantar, assente sobre trempe. Em madeira de teca e ébano. Revestimento e embutidos a ébano e marfim. Ferragens em metal dourado, recortado e vazado. É constituído pela caixa propriamente dita, paralelepipédica, com uma frente que apresenta um gavetão e duas gavetas, simulando seis gavetas dispostas em duas fiadas horizontais e três verticais. Assenta sobre uma mesa com rebordo ligeiramente saliente, com um amplo gavetão, simulando dois, imediatamente por baixo, e terminando em quatro pernas em “Jatayus”.
Profusa decoração em “Fauces de Leão”, aves estilizadas e elementos geométricos.

Restauros, que incluem os pés não originais, fechaduras e engonços do tampo. Pequenas falhas e sinais de uso.

Dimensões: 105 x 53,5 x 97 cm.

Esta obra pertenceu ao insigne coleccionador e perito de arte, Arthur de Sandão, com vasta obra publicada.

Por ser uma obra de sua preferência, à sua morte, doou-a a uma instituição portuense, onde esteve até este momento.

Vide:
DIAS, Pedro - "Mobiliário Indo - Português". Moreira de Cónegos: Imaginalis, 2013.

Nota sobre a terminologia “Indo-Português”.

O termo é uma expressão de origem britânica, atribuível a John Charles Robinson que a utiliza pela primeira vez, em 1881, no texto introdutório do “Catalogue of the Special Loan Exhibition of Spanish and Portuguese Ornamental Art”, obra que coordenou.

Em Portugal a primeira abordagem em torno da problemática do indo-português cabe a Francisco Marques Sousa Viterbo, em 1883, no artigo que escreve, “A Exposição de Arte Ornamental”.

Comprar! Loja

Chaise Percée Luís XV (1710–1774)

Chaise Percée Luís XV (1710–1774).

Francesa, do séc. XVIII. Em madeira de Carvalho Francês entalhada. Com assento e costas em palhinha.
Sinais de uso e vestígios de xilófagos.

As Chaise Percée ganharam lugar de destaque no Palácio de Versailles nos reinados de Luís XIV e Luís XV.

Comprar! Loja