P55 Magazine

Vhils - Alexandre Farto

Vhils - Alexandre Farto

ALEXANDRE FARTO aka VHILS (n. 1987)  Por vezes à noite há um rostoQue nos olha do fundo de um espelhoE a arte deve ser tal como esse espelhoQue nos mostra o nosso próprio rosto.José Luís Borges (1889 – 1986) Rostos constituem um tema persistente na expressão artística de Alexandre Farto – Vhils, rostos que nos surpreendem fitando-nos directamente com uma intensidade que não permite um relance vago e apressado; rostos que na sua aparente passividade de mural, porém nos interrogam sobre a sua representação significante e, qual espelho, nos remetem para algo de introspectivo.O suporte e o meio usados para a sua realização...

Ler mais →


José Escada

José Escada

Em 1958 terminou o curso de pintura da Escola de Belas-Artes de Lisboa onde conheceu René Bertholo, Gonçalo Duarte, Costa Pinheiro e Lourdes Castro. Em estúdio partilhado com João Vieira, René Bertholo e Gonçalo Duarte no piso superior do “Café Gelo”, passa a integrar o núcleo de artistas plástico que ficou conhecido por “Grupo do Café Gelo”. Antes porém, já aderira ao MAR (Movimento de Renovação da Arte Religiosa) iniciado em 1952 e que, citando, “corresponde à concretização da vontade de um grupo de artistas católicos empenhados em elevar a arquitectura religiosa e a arte sacra em Portugal a uma maior dignidade e qualidade plástica, numa...

Ler mais →


Helena de Medeiros

Helena de Medeiros

HELENA DE MEDEIROS BREVE BIOGRAFIA Helena de Medeiros, portuense de gema, com formação nas escolas London Fashion School e  Escola Superior de Artes e Design, que frequentou, é uma das mais recentes inspirações nacionais além-fronteiras. Atualmente responsável pelos figurinos do La Scala, em Milão, tem oferecido ao costume design uma interpretação muito própria, presente de forma transversal a toda a sua obra,  e centrada no pássaro e na interpretação do seu simbolismo. A paixão pela cenografia faz de si uma das artistas mais elogiadas neste universo, tendo constituído um percurso sólido e invejável junto de algumas das mais prestigiadas companhias...

Ler mais →


O mundo torna-se POP na Tate Modern

O mundo torna-se POP na Tate Modern

COMO A POP ART FOI USADA PARA DISCORDAR Na sua autobiografia de 1975 Andy Warhol escreveu: " O Macdonald’s é a coisa melhor de Tóquio. Em Estocolmo é o McDonald's. Em Florença é o McDonald's. Pequim e Moscovo ainda não têm nada bonito”. Provavelmente estaria a ironizar o que ainda é pior. Nunca me movi pela mística de Warhol, o expoente mais famoso da Pop Art. Até acho que a ira do crítico de arte Robert Hughes no documentário de 2008 “A maldição de Mona Lisa” foi certeira. Hughes odiava o culto da riqueza e da frivolidade que são o...

Ler mais →