ARTBASEL 2020: o impacto da Covid-19 nas galerias de arte

ARTBASEL 2020: o impacto da Covid-19 nas galerias de arte

Existe um mundo pós-confinamento, mas ainda não pós-coronavírus.
É um mundo no qual a Covid-19 mudou a maneira de entender o universo da arte para sempre: exposições, feiras e galerias de arte foram forçadas a fechar as suas portas e a repensar o seu futuro a curto e longo prazo.
Hoje, analisamos o relatório da ARTBASEL, The ArtMarket Report 2020 sobre o impacto do coronavírus nas galerias de arte. Analisamos também a orientação que este setor especializado está a tomar para enfrentar um momento tão complexo e transformador como o que vivemos.

Os media sobre galerias de arte em 2020

Alguns meios digitais, como Europapress, La Ser ou El Cultural entre outros, ecoaram durante o mês de março de 2020 um dado devastador para as galerias de arte espanholas:

Acontece que 87,5% das galerias registraram perdas durante a temporada de feiras de Madrid em Fevereiro deste ano. E estamos a falar de feiras tão gigantes como a ARCO, Art Madrid ou Hybrid. Apenas 12,5% das galerias conseguiram manter a mesma margem de lucro das edições anteriores no que diz respeito à venda de obras de arte, o que coloca uma perda média para a guilda de 51,36%, um número assustador. Traduzindo, o défice é de € 25.705,63.

Isso significa que artistas e galerias emergentes, mas também os já consagrados, estão a tentar romper uma crise de grande magnitude mundial. O futuro da arte contemporânea é incerto neste momento embora isso não signifique que as soluções práticas estejam a ser interrompidas uma vez que, como veremos mais adiante, o setor está bastante ativo na formulação de soluções.


Artbasel 2020: o impacto da covid-19 | P55 Magazine | P55 - A plataforma da Arte


ARTBASEL e UBS Global: The ArtMarket Report 2020

A ARTBASEL e a UBS Global realizaram uma pesquisa a meio do ano sobre “O impacto da Covid-19 no setor de galerias” no The ArtMarket Report 2020. Liderado pela prestigiosa Dra. Clare McAndrew, economista cultural e fundadora da Arts Economics, forneceu uma análise abrangente sobre o estado atual das galerias no mercado de arte.

O Art Market Report 2020 consiste num estudo como macro-relatório do atual mercado global da arte, onde se estuda anualmente a venda de obras offline e online, as últimas tendências do mercado e o estabelecimento de estatísticas a nível internacional.

É um estudo totalmente independente e objetivo, como refere a ARTBASEL, em que se observam os diferentes segmentos do mercado de arte (feiras, galerias, leiloeiras, mudanças nos padrões de riqueza global, etc.) e seu impacto económico.
Clare McAndrew, ao estudar os primeiros meses de 2020, produziu uma série de resultados com base numa pesquisa com colecionadores de arte de grande património.

No que diz respeito aos colecionadores, a análise afeta particularmente a forma como a Covid-19 mudou a maneira como eles interagem com as galerias, focando nos mercados de arte mais importantes do mundo: Estados Unidos, Reino Unido e China. 


ARTBASEL | P55 Magazine | P55 - A plataforma da Arte


Principais dados do The ArtMarket Report 2020

O relatório começa com um esclarecimento bastante revelador da situação atual: “O mercado de arte tem sido frequentemente resiliente relativamente a eventos no ambiente económico e político (...) no entanto, o mundo imprevisível criado nos primeiros seis meses de 2020 apresentou ao mercado e às galerias de arte em particular alguns dos seus maiores desafios até à data”.

Com este prelúdio, as informações acompanhadas de gráficos que a ARTBASEL disponibiliza nada mais fazem do que corroborar o que no fundo é uma realidade que temos intuído: muitas galerias de arte tiveram de ajustar o seu quadro de pessoal, despedindo permanentemente os seus quadros numa resposta desesperada à crescente crise da Covid-19. Um terço das galerias pesquisadas reduziu seu quadro de funcionários no primeiro terço de 2020. As galerias que faturam entre 250.000 e 500.000 dólares anuais com uma média de cinco funcionários são as que relataram o maior número de reduções, chegando a 38%.

Comparando os primeiros seis meses de 2020 com os de 2019, as galerias de arte relatam que suas vendas caíram em média 36%, com uma ligeira queda de 43%.
E como indicamos no parágrafo anterior, galerias mais pequenas, que faturam cerca de US $ 500 mil por ano, são as que relataram a maior queda nas vendas.

No que se refere às vendas online, se a participação das galerias aumentou em 2019 em 10%, no primeiro trimestre de 2020 aumentou 37%. Em linha com isso, as galerias com maior faturação, aquelas com faturação anual superior a 10 milhões de dólares, foram as que apresentaram maior crescimento.
Em outras palavras, as grandes galerias estão a sobreviver melhor do que as pequenas. 

O cancelamento de feiras de arte e seu impacto nas galerias

Sabemos que a ligação entre galerias e feiras de arte é estreita já que é dessa forma que se alimentam para sobreviver no mercado.

O cancelamento das feiras de arte em 2020 significou, novamente, um duro golpe para as vendas das galerias: no primeiro semestre de 2020 caíram para 16% contra os 46% que alcançaram nas mesmas datas em 2019. Com esse clima, 91% das galerias previam que as vendas de arte em feiras não iriam melhorar no segundo semestre de 2020. Apenas um terço acredita que vai melhorar em 2021.


ARTBASEL 2020: o impacto da Covid-19 nas galerias de arte


Alguns dados positivos de colecionadores

Apesar de tudo, o relatório também esclareceu que os colecionadores mantiveram o seu positivismo no que diz respeito ao investimento em arte: 92% permaneceram ativos no mercado de arte durante o primeiro semestre de 2020.

Do total de entrevistados, a ARTBASEL relata que 75% compraram obras de arte por contacto com galerias em 2020, sendo que 40% se concentraram em galerias onde compraram anteriormente, garantindo de alguma forma a sensação de segurança.

Apenas 14% dos colecionadores têm procurado ativamente por novas galerias para venda, mas os percentuais anteriores, comparados à soma, não são de desprezar.

Olhando para o futuro, a maioria das galerias espera que as vendas continuem a diminuir; apenas 21% dos entrevistados ​​pela ARTBASEL acreditam que haverá uma retoma das vendas no segundo semestre do ano.

Com das contínuas restrições de viagens e eventos devido aos estados de confinamento nas suas diferentes fases, 82% dos colecionadores estavam predispostos no primeiro semestre de 2020 a continuar a comprar arte, participando em feiras, exposições e eventos durante os próximos 12 meses. E não é tudo: cerca de 57% esperam comparecer nesses locais, tanto localmente como no fora do país.


ARTBASEL 2020: o impacto da Covid-19 nas galerias de arte


O futuro das galerias de arte

Sem dúvida, o futuro das galerias de arte passa por manter a confiança dos colecionadores. Mas também por oferecer novas experiências virtuais e focar-se nas possibilidades do mundo online:

Foi assim que a Hauser & Wright inaugurou sua primeira exposição de realidade virtual com inauguração prevista para 2021 ou como galerias de arte virtuais como a Singulart, Galeriabat, Kreislerart ou Bygart proliferaram, entre muitas outras.
A esperança está em 2021, mas também aqui, na sagrada Internet.


Publicação Mais Antiga Publicação Mais Recente